Abobrinhas e outras histórias

Está aberta a temporada de abobrinhas por aqui. Elas podem ser cozidas ou em histórias, não somos preconceituosos. 🙂 Com o perdão do trocadilho besta, aproveitando que abobrinha e berinjela são alguns dos produtos da estação e resolvi aproveitar para receitas diferentes. A vantagem de produtos da estação é que eles são mais frescos, mais abundantes, tem uma qualidade melhor por estarem na época certinha de colheita e – o mais feliz de tudo – são mais baratos!!! E falar em comida boa + preço baixo é falar da felicidade na cozinha da pós-graduanda que vos fala.

E se eu disser que abobrinha é daquelas comidas super amigas do Projeto Biquíni de Lacinho? Pausa. Projeto Biquíni de Lacinho é como eu tenho chamado meu humilde projeto de mudanças de hábitos e cuidado de si, do corpo, da mente e do shape :). Despausa. Abobrinha e berinjela são dessas coisas que você pode comer sem culpa (não que alguém aqui vá comer se culpando, já que comer com prazer é muito mais divertido). Além disso, as duas lindezas são versáteis. Basta dar uma procurada pela interwebs e você achar 939848758737661 milhões de receitas com elas. Inclusive, tem um cortador de legumes que faz com que a abobrinha sai em forma de ~macarrão~, para enganar os olhos e agradar a barriga, tudo em um prato só.

No entanto, se tem uma coisa da qual eu não lembrava do gosto, essa coisa é abobrinha. Talvez porque ela seja menos comum de encontrar pelas quitandas e bodegas daqui por onde eu moro. Berinjela eu como sempre, mas abobrinha tinha uma par de tempos que eu nem tocava. Daí, passando pelo mercadinho semana passada, numa dessas horinhas de descuido em que você se permite ir espiar como estão as bananas compridas e se vale a pena levar mais ~só pra garantir que não vá faltar~ (eu e bananas temos um relacionamento sério, é amor verdadeiro, amor eterno), vejo as abobrinhas bonitas, verdinhas e, o melhor, acompanhadas de uma plaquinha maravilhosa onde se lia OFERTA.

Nem pensei muito, peguei uma de tamanho razoável e coloquei no carrinho. Vim pra casa feliz da vida, mas sem ter ideia do que faria de receitas com a minha abobrinha. Como disse lá em cima, abobrinha é uma comida versátil, então você pode usar pra fazer desde um Ratatouille, e se sentir em filmes da pixar, até em cubinhos refogada na frigideira mesmo, com aquela praticidade que só a preguiça de fazer jantar te permite.

Uma vez que a minha abobrinha era relativamente grande para fazer para uma pessoa só, resolvi praticar a solidariedade e fazer um prato maior, mais bem servido, pensando em dividir com os amiguinhos, fazê-los de cobaias degustadores. Saiu assim uma espécie de lasanha de abobrinha, mas que bem poderia ser chamada de Improvisado de Abobrinha, ou ainda Abobrinha e Outras Histórias – se eu fosse a Nigella e lançasse um livro de receitas, acho que esse seria o nome. Isso porque eu tinha uma série de outras coisas na geladeira e freezer, frutos de preparações anteriores ou de preparações que viriam a ser, e resolvi aproveitá-las pra compor uma receita só. A receita foi meio no olhômetro, então não existe uma medida específica, você vai sentindo a bichinha, adaptando as quantidades e os ingredientes para o que você tiver na cozinha e brincando com os sabores, beleza?

 

Abobrinha e Outras Histórias

Ingredientes:

1 abobrinha de média a grande

Parmesão Ralado

Muçarela

Soja refogada com cebola, alho, pimentão e o que mais você quiser

Molho de tomate

Azeite para refogar

Sal, pimenta e temperinhos ao seu gosto

 

Modo de fazer:

1. Lave a abobrinha e corte-a em tiras no sentido do comprimento, como se você quisesse imitar a massa de lasanha. Não precisa ser muito fina, vai como você conseguir. Acredita. Depois de cortadas, reserve.

2. Numa panela refogue a soja com a cebola, o alho e tudo que você pensar mais em colocar. Acrescente o molho de tomate, acerte sal, temperos e deixe apurar. A ideia é que essa mistura vire uma espécie de bolonhesa, está bem?

3. Em uma tigela ou refratário, coloque uma pequena camada de molho no fundo da travessa e vá fazendo uma camada de tiras de abobrinha. Depois coloque mais uma camada de molho por cima, uma camada de muçarela, outra camada de abobrinha… vá seguindo essa ordem até os ingredientes acabarem. O legal é que a última cama seja de molho, pra coisa toda ficar bem suculenta.

4. Por cima, coloque o parmesão ralado. Pode colocar o tanto que você quiser. No meu caso, foi um rolinho daqueles Faixa Azul, dum pacotinho que vinha com 4 rolinhos.

5. Leve ao forno por uns 15 a 20 minutos. O queijo vai derreter lindamente e borbulhar. A abobrinha vai soltar uma águinha, mostrando que cozinhou. O cheiro vai dominar sua cozinha, daí você sabe que funcionou 🙂

 

Dicas pra lamber os dedos:

1. Você pode fazer com mais de uma abobrinha e ir aumentado os ingredientes a seu gosto. Eu fiz só com uma porque era a que eu tinha.

2. Os queijos que usei eram os que eu tinha aqui, mas vale usar os queijos de sua preferência/disponibilidade. Se você só tem queijo coalho, arrasa com ele, que fica bom do mesmo jeito, já testei.

3. Essa receita pode ser feita no microondas, é só você ir colocando ciclos de 2 ou 3 minutos e observando derretimento do queijo e cozimento da abobrinha. Vai espetando com um garfo e vendo se está molinha. Se tiver molinha e macia, tá cozida. É, abobrinha é uma coisa mágica assim mesmo, uma lindeza. Aconselho só a colocar uma cobertura na forma, para que não salpique todo o micro de molho.

4. Você não tem soja ou não come soja? Coloca a carne que você tiver. Vale moída, vale filézinhos, vale usar frango desfiado, atum em lata, sardinha, salmão, bacalhau… enfim, amiguinho, o que tiver a seu dispor. Vale até arrasar no presunto ou no peito de peru, quem sabe fazer uma coisa hard core e improvisar com mortadela… O negócio é prático e vai de acordo com seu paladar.

5. Na hora de comer, pode servir com uma saladinha de tomate com alface americana, alface francesa, acelga e cenourinha ralada. Fica delícia, dá leveza ao prato e sua consciência agradece.

6. Para quem ficou curioso com calorias e quantidades, abobrinha é tão leve que uma xícara cheia de abobrinha cozida tem só umas 30 calorias. Não é pra amar? ❤

7. Usei o molho de tomate do elefante, porque era o que tinha aqui na geladeira. Mas super apoio que você faça seu próprio molho, porque comida de verdade é sempre mais gostosa e tem sempre seu valor.

8. Vale chamar os amigos e se exibir todo com essa receita que tem simplicidade de solteiro e requinte de comida boa 🙂

Anúncios

4 comentários sobre “Abobrinhas e outras histórias

  1. Pingback: [básicos] Soja e compartilhar de sabores | Pra lamber os dedos

  2. Pingback: Almoço prático para o Dia dos Pais | Pra lamber os dedos

  3. Pingback: Espaguete de abobrinha e uma semana de imprevisões | Pra lamber os dedos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s